Bordado de Garoa e Mar.

15:32


Escolho as cores, recorto os tons. A luz que invade é poesia, as letras são de bailar. Seguro a mão da menina-mulher que vive através, do meu espelho.

O sorriso dela, reflexo do meu. Eu (em) ela - pelas mãos, que se encaixam. Uma apoteose de acordes em par, fazem palavras surgirem de dentro - em nós - que se embolam. Dançamos as letras-notas. A menina do anel-de-lua faz céu onde meu eu-estrela navega. Azul, que me afaga. Nela, os olhos de cais. Desembarco.

No fim do arco-íris tem o mar. Um mar de nós, de dedos que nunca se embolam. As ondas fazem hiato, de tempo; as ondas são a constância do desejo. Os olhos tem fome, e o tamanho do mar é tanto que já nem sei comê-lo. Devoro aos poucos as palavras que escorrem pela boca, melam os dedos, fazem soluço-de-riso.

[Suspendo a respiração, e de olhos fechados espero o próximo ato.]

Em ondas que lambem o inteiro, um lambuzar de cores. Um som de violão bêbado nascendo em meio aos ruídos monótonos. O riso-sorriso dela, ecoando em minhas pálpebras-borboletas. Visto coroa de guirlanda, princesa que brincava de ser, no faz-de-conta sinestésico. Felicidade, era a lei. E se um dia foi diferente, a noite, espiralada, não deixava ser. Virava tela, em cima da pedra mais alta.

Colho no ar umas bergamotas-de-poesia, eita coisa bôa que é lambuzar-se da palavra alheia! Sorvo seus existires, para que haja docêde, em mim (é que vós tens nome dôce!). Misturo o eu no tu, pra ver se desvira numa prosa bôa de ler, comer. Num desenho mágico, de bailar os olhos.

Começo a tecer um arremate pra nossa meada, e é com vontade de fazer um cachecol de dar volta no mundo todinho, que amarro o fio, picoto a linha, vejo nossa obra com olhos de sete-anos, sete-mares, três-marias: duas-metades.

____________________

Palavra de duas - eu e ela, minha Lua de côr.

You Might Also Like

36 comentários

  1. "Felicidade, era a lei. E se um dia foi diferente, a noite, espiralada, não deixava ser. Virava tela, em cima da pedra mais alta."

    É quando a gente consegue respirar, depois de ter a barriga invadida por borboletas desesperadas para voar. Voar além dos nossos olhos, muito além .

    Lindo.

    beijos

    ResponderExcluir
  2. um arco-íris de sensações :o)

    beijos, dear e bom fim de semana,

    MM.

    ResponderExcluir
  3. belo texto... belo mesmo...
    Adorei seu blog.
    Passei por aqui... achei tudo muito bacana !
    Parabéns !
    Quando der visite meu blog também :

    http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

    Beijo !
    Solange Maia

    ResponderExcluir
  4. Sempre tem tantas palavras certas a pintar as cores da vida, por aqui... Adoro seu jeito de conduzir-nos por sensações as mais diversas, obrigada por esse instante de sublime beleza!

    Beijo pra tu!

    ResponderExcluir
  5. O jaya eu aqui suspendi a respiração.
    Me envolveu :)

    Beijão moça.
    =**

    ResponderExcluir
  6. moça, eu não me lembro se eu escrevia assim bonito desse jeito quando tinha a sua idade ... mesmo sendo os estilos diferentes ...

    seja como for, é sempre um colírio para os olhos passar por aqui e ver letras e frases serem desenhadas de forma tão bela, tão agradável a quem aprecia uma boa leitura ...

    alguns cantos dessa blogosfera fazem um bem danado aos olhos ... o seu, com certeza, é um deles ...

    ótimo jogo de imagens e palavras, texto meio prosa, meio poesia ... aguardando o próximo, só para sorrir de novo ...

    ResponderExcluir
  7. Qta poesia e beleza num texto só...amei!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  8. Eu me senti colorido com emoções e sensações que enterneceram meu coração.

    Acho que doçura é nada mais, nada menos que esse texto, que baila romanticamente a canção de felicidade.

    Que lindo Jaya.
    Amei de coração.

    ;)
    Te adoro querida.
    Beijocas.

    ps: ainda sinto a falta de sua doce presença no meu blog viu. Desde que cheguei estou guardando uma flor lá pra ti. Uma flor do norte. ;) Quando arrumar um tempinho me dê o presente de seu perfume por lá.

    Beijos
    Te adoro viu.

    ResponderExcluir
  9. Jaya, querida, você continua me encantando com os seus textos a cada dia que passa. Eu fico aqui todo bobo toda vez que eu te leio, porque tudo o que você escreve é lindo e cheio de vida.

    Ler seus textos é adentrar por um mundo mágico, e eu me sinto na terra dos trovadores e dos poetas. Eu me sinto lendo Ernest Hamingway, quando ele fala de sua grande geração perdida, composta pelos melhores do século XX.

    Eu amo vir aqui ler seus textos lindos e viajar no seu mundo apaixonante de sonhos.

    Obrigado pela visita lá no meu cantinho, tá?

    Um grande abraço,
    Átila Siqueira.

    ResponderExcluir
  10. Há poetas que escrevem poemas até legais. Uma rima aqui, outra acolá, uma dose de criatividade e poucos recursos estilísticos. O que me chamou a atenção aqui, no entanto, não foi a originalidade de praxe, nem a poesia de sempre. Hoje, me embriaguei de palavras tão bem acertadas. Um sentido que completa outro, ou que possibilita o outro de acontecer. Todo esse arranjo muito bem construído, mesmo que em prosa, me lembrou poetas da altura de Fernando Pessoa. Muito bem, de verdade.

    :)

    ResponderExcluir
  11. Que delícia de ler...
    E um jeito envolvente e que parece música... Fui seguindo os versos, lendo o poema e sentindo a melodia...

    Lindo demais...

    Beijão!

    ResponderExcluir
  12. Jaya , suas palavras, referências e o conjunto todo são liindos! Parece uma mistura de poema, música, prosa.. adorei.
    Baaci

    ResponderExcluir
  13. a cada dia gosto mais do teu blog
    tava lendo uns textos antigos e descobri que vc também gosta de Los Hermanos...
    sou apaixonada por eles^^

    ResponderExcluir
  14. ...engraçado, Jaya, você me dizer que nunca leu Clarice, pois que vocês duas se dão tão bem, se comunicam de maneira tão sincera uma com a outra. Será um encontro muito bom, quando resolver visitá-la em alguma obra (e, se não for muito abuso, recomendo "Água-viva", acho que você gostará muito-e-muito!)... Também gostaria de dizer que os teus textos têm uma fluência de mel, escorrendo viscoso, gostoso, por de-dentro da gente enquanto lemos. Ao fim, fica a sensação doce de acalento de alma e um gostinho de queromais... um bju sempre carinhoso pra ti...

    =D

    ResponderExcluir
  15. jaya, flor.
    lindo, cheio de cor, cheio de amor.

    ;**

    ResponderExcluir
  16. nunca uma leitura sua é como se prevê. acho vc uma pessoa tão profunda e densa. cheia de tantos sentimentos.
    me considero tão frio.

    ResponderExcluir
  17. Jaya?

    Flor, vc sabe fazer isso tão bem! Que me desarma na hora em que chego aqui! Parece que me perco no meio de um dicionário inteiro, mas ainda assim, me falta palavras, significados.
    "Felicidade, era a lei. " [Sempre. E que nunca deixe de ser, porque a partir do momento em que não busquemos mais a felicidade, não haverá mais motivos pra sorrir...]

    Te beijo, Jaya.
    E a Lua também.
    Parabéns!

    Ps: Obrigada por todo o carinho lá no blog. Me faz TÃO bem!

    ResponderExcluir
  18. "No fim do arco-íris tem o mar. Um mar de nós, de dedos que nunca se embolam. As ondas fazem hiato, de tempo; as ondas são a constância do desejo".

    Cada vez mais fã de tudo que leio aqui...

    Beijinho!

    ResponderExcluir
  19. Minha poetisa-linda-dos-textos-mais-doces!
    Me diz aí o que fazer pra escrever um dia como vc?
    Sou sua fã, sempre!
    Te beijo muito, viu, flor?

    P.S.> Eita conversa difícil de sair!
    Saudade...muitona!

    ResponderExcluir
  20. Na juventude, ela me parece estar. Descobrindo as cores, os cheiros, um emaranhado de sensações que o oceano da vida nos pode conceder. Dele extraímos mistérios, pôr-de-sol e diante dele iniciamos nossa saga em busca de um arco-íris pessoal: um trajeto onde se encontra um primeiro amor, um primeiro verso, a eterna guirlanda que se embaraça no além-mar. As pegadas são moldadas em nós e nossos prazeres bailam esvoaçantes enquanto ressoam os bom tempos: os de descobertas e temperança, que um dia se tornarão saudade, e histórias pra contar.
    Beijo pra vocês, meninas!
    Ziggy

    ResponderExcluir
  21. Fui tão completamente envolvida pelo seu texto que, acidentalmente ou não, mergulhei nas cores, sombras e formas e cheiros e sensações. E me misturei ao seu blog, ao novo layout.

    Coisa mais linda de se ler, de se ver, de se sentir.

    Amei.

    [ainda embriagada]

    p.s.:só não responde ao e-mail,né?

    ResponderExcluir
  22. o sorriso reflete a vida,
    e encanta olhares.

    no fim do arco-íris
    será que tem ouro?
    haha
    beijos e boa semana

    ResponderExcluir
  23. Jayaaaaa, vou pular carnaval sim, meninaaaa. Nem lembrava que já começa quinta. Putzzzzzz.

    beijossssss

    ResponderExcluir
  24. Eu já te disse umas trocentas vezes pra vc escrever um livro né???

    rs


    Bjus e td de bom!

    ResponderExcluir
  25. Eu precisava vir aqui pra te dizer que o que vôcê escreve me encanta.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  26. Jaya,

    Isso é uma sintonia surreal de palavras e sentires, cheio de cores e sabores que dá vontade da gente se lambuzar de abraço.

    Eita, que te gosto um tanto, viu? E ali "na pedra mais alta" ouvi o Teatro Mágico cantar.

    Um beijo, querida!!!

    ResponderExcluir
  27. Seu texto-poesia sempre me fazem pensar em coisas boas...
    Palavras bem escritas sempre,adoro demais!

    Bom carnaval viu..
    beijoo

    ResponderExcluir
  28. Esses textos coletivos estão cada vez mais perfeitos!

    ResponderExcluir
  29. Delícia cremosa,

    Vem ni mim, vem! Ooohohohohoho!

    Chêeeero (e cosquinha também),

    Zy

    ResponderExcluir
  30. vim aqui, tododia ler os que os teus diziam.

    m'engrandeci.

    ResponderExcluir
  31. Tenho prêmio para você em meu blog. Um beijo, flor linda.

    ResponderExcluir
  32. E tem coisa mais gostosa que ser lambido por ondas?

    Ah, duvido.

    ResponderExcluir
  33. Quero ficar aqui, admirando.

    Poesia, doce, docinha, até escrevendo, me lembro de você Jaya.

    Bela parceria.

    Te beijo.

    ResponderExcluir
  34. Eu quero um verso e cem anos mais.

    ResponderExcluir