Solta.

11:34

Deixa eu dançar, pro meu corpo ficar odara
Minha cara, minha cuca ficar odara
Deixa eu cantar, que é pro mundo ficar odara
Pra ficar tudo joia rara
Qualquer coisa que se sonhara
Canto e danço que dara.
[Odara - Caetano Veloso]

Eu gosto de barulho bonito, poeta. Aquela maneira engraçada, que puxa a gente para um samba e o corpo dança no meio daquela roda. Saia rodada, pés descalços, flor nos cabelos. Tudo que rodopia enquanto a alma se arrepia. E todas aquelas mulheres cheias de histórias contando poesia nas escadarias do Pelourinho. Brincos nas orelhas, colares mágicos, cheiro de jasmim. E cada um dos nós que guardam pedidos naquelas fitinhas de Nosso Senhor do Bonfim acabam se perdendo quando a alegria escapa sapeca ao ver o coração ecoar sua música pelos pulsos.

Tem raízes, sombras, e meus cabelos se trançam desritmados pelas mãos de uma moça de sorriso insuportavelmente bem feito. Caminho esquecida por toda aquela rua de pedra, me afogando em um amor tão grande que, por não saber mais virar curvas, entrou no mar e se fez infinito. Por isso o sigo. Persigo. Amor que me lambe, fazendo doces todos os meus músculos. Tambores batucam nos meus olhos. Meu corpo inteiro grita tragédias, sem nem saber que é apenas mais um romance que se enovela a partir dos meus quadris.

Linda, cambaleante, solta, gosto de amor feito na rede. Transpiro, multicores, enlaçando sonhos naquela fita amarela que mede todo o não-sentido em minha cintura. A noite se abre em meus seios deixando escorrer mil e duzentos absurdos que rastejam sem norte. A lua e a estrela que moram em meu anel de pedras verdes desenham a Bahia nas palmas das minhas mãos. Salva(a)dor. Tudo rima em minha pele vigiada pelo sol. Tudo rima com o nada.

E quando a gente senta, o indizível começa a escorrer pelas calhas, como se chovesse excesso de querer-bem. Todo mundo traz em si aquela coisa que só parece caber em cartões postais e denuncia em cada milímetro toda essa mistura rubra que exalta a maneira mais diversificada de felicidade. Todas as falas cantam. Todos os abraços cabem nos meus.

Muito amor demais, é o que tem para hoje. O que acontece, aqui? Vida. Eu, acontecendo, a-bun-dan-te-men-te, sentada na calçada debaixo do pé de espatódea que peca pelo excesso de cor. Nessa hora, o barroco inadiável chega e vivo épocas que remontam essa minha certeza de que nasci para morrer de amores. E dói, dói, dói tanto, que eu sorrio. Sorrio flores, anunciando a primavera despetalada em minhas entranhas.

Areia de praia, coqueiros, cravo, canela, mãos ao queixo, tudo enquanto espero você, poeta, para desencantar toda essa euforia, antes que eu vire estátua nas bordas do mar, eternamente a contrabandear seu azul.

Amanhã São Jorge prepara a lua cheia e eu seguro o céu, rainha de mim mesma, enlouquecendo de saudades e enterrando o acúmulo de lucidez extraviada. Leva esse axé para o mundo, poeta. Um gerânio no meu sangramento e todo esse barato ausente de coordenação, é o que me preserva.

Insisto no que é lindo.

You Might Also Like

38 comentários

  1. quanta vida, meu deus!

    e coincidentemente, fui corrigir meu comentário e quando vejo, você acabou de postar. no dia que eu mais gosto de te ler, ganho um texto a mais. foi como um combo: leia 3 e ganhe um.

    ê, delícia.
    porque coincidentemente também, ando ouvindo tanto odara, que sinto que você me lê. me lê no meu dia-a-dia. você acredita nisso?

    olha jaya, quero um livro seu. e se for preciso, te ajudo a fazer isso, porque você merece. é muita poesia, e como você disse outrora, é muita vida, e é não saber.

    beijo com 2 comentários hoje, e com uma segunda muito mais doce, graças a você.

    ResponderExcluir
  2. Insiste mesmo.
    Esse texto, vai ser um dos que vão ser descobertos como resquícios de uma auto-biografia sua e de uma homenagem à Bahia, sua terra.
    As pessoas que o lerem daqui há uns anos, vão entender que vc era linda, intensa e que amava. Porque como vc disse, nasceu para morrer de amores. Mas o que acontece, na verdade e que vc vive (vive muito) de amores.

    Obrigada pelo comentário lindíssimo e com tanto carinho que me amoleceu hoje...
    te adoro tanto!

    Um beijo!!

    ResponderExcluir
  3. Jaia
    Me encontro praticamente em transe ! Muito bom, Envolvente,
    Odara, Sensacional !
    Adorei

    ResponderExcluir
  4. Insista moça!
    Enquanto hoje eu te aplaudo de pé, amanhã São Jorge preparará a lua!!
    A musica Já toca em sua homenagem! Dançaremos! Salve Jaya, Salve Bahia! Salve poeta linda.


    "Oguntê, Marabô
    Caiala e Sobá
    Oloxum, Ynaê
    Janaina e Yemanjá
    São rainhas do mar

    Mar, misterioso mar
    Que vem do horizonte
    É o berço das sereias
    Lendário e fascinante

    Olha o canto da sereia
    Ialaó, oquê, ialoá
    Em noite de lua cheia
    Ouço a sereia cantar
    E o luar sorrindo
    Então se encanta
    Com as doces melodias
    Os madrigais vão despertar"...


    Beijos meus e carinho pra você. Numa segunda dançante.

    ResponderExcluir
  5. me lembrou "são demais os perigos desta vida" de vinicius de moraes

    belo texto!

    ResponderExcluir
  6. Teus textos são tão brasileiros. Como eu vivo aqui no Sul, consigo sentir uma energia diferente nas tuas palavras, as palavras soam com ritmo, coloridas, bem verde-amarelo, bem Brasil.

    Linda, adoro te acompanhar.
    :)

    ResponderExcluir
  7. você sempre usa finais de embasbacar.

    ResponderExcluir
  8. eu que agradeço a oportunidade de ler o seu. minha falta de tempo faz com que hj não escreva muito, mas estarei sempre passando por aqui

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Jaya, pior que eu sei. Mas se eu te contasse da vida, ah se eu te contasse! Aqui, no meu blog tem um endereço de e-mail pra contato. Manda um oi lá? A gente conversa. Ta la na barra a direita.

    Beijo!

    R.

    ResponderExcluir
  10. Quanta vida
    quanta cor,texto com toda uma aquarela
    teus textos me encantam deixam a vida mais bonita
    como um samba.

    ResponderExcluir
  11. Então insista em escrever, por que é sempre lindo de mais vir aqui te ler.!

    Beijoooos e ótima semana

    ResponderExcluir
  12. Então me dá aqui a tua mão que a gente vai SEMPRE insistir juntas no que é lindo. Combinado?

    Beeeeeeejo, trenzim-fofo-meu!

    =)

    ResponderExcluir
  13. E é muita vida... vida linda!!
    :D ;*

    ResponderExcluir
  14. Jaya CBBA*... rsrsrs

    Nada que me inspire mais que essas declarações de Amor por sua terra (sou assim também, vide as bandeiras de SP no meu Krippendorf).

    Muito lindo, muito lindo mesmo.

    Até eu, que só conheço de MG para baixo, visualisei as "ruas de pedra" e todo o mais esparramado em palavras!!!

    Adoro essa sua profusão de letras!!! Venho ver os comentários do último texto e também ganho o combo "leia 3 e ganhe um" - rsrsrs

    Beijaya!!!

    * Carecas do Brasil - Bahia.

    ResponderExcluir
  15. Nascemos então, para morrer de amores.


    Jaya, dona de palavras encantadoras, não se esquece de me gritar, quando passar por aqui. :)
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  16. Coisa linda essa sua, Jaya. Essa vida que dança, colore, inspira sente. E ama.
    (E a vontade que dá de entrar nessa roda de saias coloridas?)

    Toma um beijo!
    =)

    ResponderExcluir
  17. Ah, o jeito como você usa as palavras...
    Já falei que adoro os seus finais? :PP


    Beijão, jaya :)

    ResponderExcluir
  18. Jaya, minha flor mais linda!
    Eu, que também sou baiana, senti a sua energia em cada palavra... Quanta sensibilidade e quanta verdade carregada de beleza!
    Vc é um milagre, Jóia Preciosa!
    Insita sempre em tocar o coração das pessoas como só vc faz!

    ResponderExcluir
  19. Jayaaaa!
    Me senti baiana e pronto!rsrs
    Lindo demais, sim, vc insiste, defende e propaga o que é lindo.
    Saudade baiana minha.
    Bjô

    ResponderExcluir
  20. Li muitos textos teus. Viajei aqui nos últimos dias, num misto de coisas boas e ruins aqui dentro, mas insisti no que é lindo, como você e hoje tem sol e tem sorriso e eu vim te dar bom dia e te dizer que esse lugar aqui, é encantado. Tô te favoritando, dona moça. Té ;)

    ResponderExcluir
  21. Nossa!
    Fiquei sem palavras (como sempre).
    Texto lindo demais...

    Beijos, Dona Moça.
    .Luana.

    ResponderExcluir
  22. Eu vi, e achei maravilhoso, o post que você escreveu sobre os plágios que encontrou por aí.

    Mas você tinha razão quando disse que isso não tem solução. Comigo não adiantou nada postar aquilo, ninguém tirou, ninguém reconheceu o plágio, ninguém.


    Cheiro, flor.

    ResponderExcluir
  23. Meu Deus... afundei na cadeira arrebatada com esse texto!

    Meu Deus... insistir no que é lindo... caramba, sem palavras

    *-*

    ResponderExcluir
  24. li o texto! mas confesso! eu não tinha conhecimento de seu blog naquela época rs

    incrível a coincidência.

    adorei o texto.

    gosto quando ele nos dá imagens na cabeça que ns fazem fixar ainda mais.

    foi oq quis fazer com a música

    espero que tenha gostado

    bjs!

    ResponderExcluir
  25. Uau! Eu gosto de barulho bonito, poeta. Eu gosto de poetas.

    Nossa, fui lendo me deliciando com cada palavra, como se cada uma me levasse a um estado que não é o normal. Que prazer ler você.

    Me transportei pra Salvador, cidade que eu a-do-ro. E no fundo, uma voz doce de um Caetano todo apaixonado..

    Vou vir sempre aqui. Beijo!

    ResponderExcluir
  26. Jaya,

    Dancei junto com você. No sorriso bonito, na areia da praia, no amor demais da oferta de hoje. Vi as cores, as baianas, um Dorival Caymmi tímido, cantando "o barulho bonito".

    Você trouxe cor pro meu sábado cinza.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  27. Devemos mesmo sempre isistir no que é lindo, acho que é isso que faz a vida ser melhor.
    Beijos
    ¥

    ResponderExcluir
  28. No desejo ardoroso da minha doce bahia... eu me encanto na fé de todos os encantos... que fazem de nós baianos tão abençoados... amei ler da minha bahia... eu um baiano morando em sampa... bjs.

    ResponderExcluir
  29. Amor é coisa de louco, dona moça. Não é coisa para os normais, não. A-bun-dan-te demais, sabe?

    Se tranborda, menina, os outros saem correndo de medo de você. O que é bonito assusta mais do que o que é feio. Porque o feio, vê-se com frequencia, o bonito, de tão raro, é assustador. Infelizmente. E amar é tão, tão bonito...

    O sorriso dolorido está aqui. E espero que não saia, me protejo nas palavras lindas como as tuas e tento viajar em outros mundos que não o meu, agora.

    E sim, és espelho aqui. O blog saiu, porque suas palavras me fizeram o sentir querer explodir. Obrigado por isso.

    A flor está sendo bem cuidada. Posso te dar uma estrela de presente, moça?

    Sabe o teu texto "declaração"? É... Insisto no que é bonito, insisto em viajar por aqui, portanto. Até, menina.

    ResponderExcluir
  30. Oi Moça,
    Passei pra te desejar uma semana de luz,

    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Jaya, linda.
    Deu vontade de sair dançando. Flutando, pra ser mais precisa. E olha, tava uma frio aqui. Mas te lendo, fui desenhando Salvavor na mente, e aquele calor tão bom foi me aquecendo. Aqueceu o coração,e ele tava precisando desse calor todo, que vc soube trazer com maestria. Como sempre. E eu agradeço imensamente. Suspiros aqui.

    Sabe? Acabei lembrando também de uma música que diz assim... 'Descendo a rua da ladeira, só quem viu que pode contar, cheirando a flor de laranjeira, Sá Marina vem pra cantar, de saia branca costumeira, gira o sol que parou pra olhar, com seu jeitinho tão faceira fez o povo inteiro cantar..."

    Vc foi assim doce - cítrico. Como a Bahia. Foi lindo, demais.

    Obrigada, flor!

    Beijão, aos montes.

    Ps: Desculpa sempre a ausencia, mas estou em semestre de TCC, então tá um Deus nos acuda!
    Sem contar que inspiração ultimamente não tem batido na minha porta :(
    Bjos!

    ResponderExcluir
  32. Nossa!
    Quanto encanto!
    Me deixei envolver em tuas palavras, senti as cores, os cheiros, os sabores da Bahia, daqui do interior da Bahia.

    Belíssimo texto!
    Tão bom te ler!


    beeijo meu*

    ResponderExcluir