Chave.

14:44

Algumas coisas lindas ardem.

É aquilo que você faz com as pernas, baby. É o seu levantar da cama e o acender do olhar à beira da janela enquanto observa a cidade se esvaziar. É a calcinha branca que te veste delicadamente enquanto perambula pelo chão vermelho do quarto ao mesmo tempo em que se perde ali no canto, ao lado do abajur apagado. Eu queimo enquanto desenho tua sombra, reflexo da minha própria luz. Ao pé do ouvido, versinhos do nosso descaso.

É aquela maneira como você sobe na cama para agarrar o travesseiro, ou a mim. Ou o modo como tuas pálpebras colam minha imagem dentro em ti. É toda essa ausência de amor. Todo esse excesso de loucura. Você. Você. Você. Nossos rascunhos nas paredes daquele bar. Um sorriso, três doses.

Essa noite a cama é imensa. É necessária minha voz esbarrando em tua pele e escorrendo por todos os teus sentidos. Ou a falta deles. Você, hoje, explodiria doce em minhas mãos. Me deixaria sorrir meus terços de vantagem. Me entregaria teus lábios transbordantes de beijos e eu entenderia os caminhos. É permitido atropelar. Dissolver. Todas as tuas quedas continuam a ser em mim.

Talvez seja preciso um banho teu. Talvez teu corpo inteiro seja boca. Línguas e céus ansiosos. Meus dedos, amigos das tuas blusas. Teu hálito, meu hábito. Nenhum roteiro e belezas decoradas. É como pinto o azul-marinho do teto que se partiu. Um escândalo.

Tua pose de menina se esvai enquanto teus poros se rasgam. Um cheiro de vinho, uns passos trôpegos e uma dança no meio do tapete da sala. O próximo número deve ser em par. Fevereiro arremessado, assim, eufórico. Você com minha camisa, eu com teu gosto. Teus seios amassados no colchão enquanto os cabelos te cobriam o rosto e meus gestos soltos iam distraindo-se em carinhos impraticáveis.

É mais uma sexta-feira. Meu nariz e tua nuca. A água que ferve quando prova tuas curvas. Nenhum sossego, linhas ocupadas, teus gemidos. Minha voz já rouca emaranhada de suspiros. Essa tua coisa de me encarar entre os lençóis. Nossa delicadeza em acordar a cidade. Minha festa cabendo em você.

Te olhando daqui, crio motivos proibidos e alterno entre vertigens furtadas pela falta de ângulo. Você é linda a essa hora, e o dia ainda nem existe. Debruçada em minhas costas, me deixa descobrir tuas senhas enquanto me entrega todas as falhas, rosnando, aninhada em meus abraços. Você me bagunça em todos os cantos. Tua língua me destranca.

Urgência maior é te inaugurar.

You Might Also Like

41 comentários

  1. 'Minha festa cabendo em você'

    Teu texto serviria exatamente para descrever um momento meu. Lindo, doce, meio louco, fevereiro também e por aí vai.
    Arrancou-me suspiros.

    Lindo demais.
    Beijo, Jayaamm! E bom carnaval.

    ResponderExcluir
  2. "É permitido atropelar.Dissolver. Todas as tuas quedas continuam a ser em mim."

    Me perdi Jaya. Quem dera o ano todo fosse esse fevereiro que você pintou.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Ufa!! Fiquei até sem fôlego. O jeito que você escreve é maravilhosamente lindo e prazeroso de ler. Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. não é a toa que ee do odio que se faz as grandes obras

    ResponderExcluir
  5. Jaya,

    Belíssimo. São essas coisas que eu desejo para mim, sabe. O amor que é intenso, que nos arranca não somente suspiros, mas a metade da gente.

    Urgência maior é te inaugurar - Não sabes como essa urgência me deixa louca.

    Beijo!!!

    ResponderExcluir
  6. In-des-cri-tí-vel. De tudo, é só!

    ResponderExcluir
  7. Jaya, acho que a palavra que mais cabe no teu texto é: intensidade.
    Sim, o alvorecer é narrado de forma intensa, o amor mais ainda, as sensações, tudo!

    Teu texto tem sabor de noite quente, de Cazuza, de explosão.

    Adorei.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Talvez eu esteja engana.
    Mas parece Leo transbordando sentimentos para Dulce.
    Se é ou não, eu não faço ideia.
    Mas digo que está belo! De uma intensidade sensacional!
    Sabe, Jaya... Se você virasse escritora, entraria em minha livraria favorita e pediria com muito orgulho e um sorrisão o livro da Jaya Magalhães. A dona das palavras de mel!


    Te adoro!
    Beijos Girassol!

    ResponderExcluir
  9. Meu Deus, mas que coisa linda Jaya querida. A confluência de doçura que se esvaiu pela boa cadas tuas palavras veio de encontro à um belíssimo baile de sentimento.
    Palavras soltas, sensações descritas, e emoções à foro da pele. Como amor modulado no céu, explodindo no estribilho do universo dos olhos. São galáxias de momentos curtos, mas de paixão infinita.

    Mágico. Perfeitamente criado em cima de versos ritmados em tantras de paz, de luz, de amor. A plenitude no desejo, a vivacidade depositada em cada passo torna a completude de cada anseio um baú de tesouros.

    Jaya, o que floresce nas suas palavras encanta à anos luz. E essa fragrância de tuas anotações perpassa por nossas artérias, se apronta na magnitude de nossas mentes.

    É algo majestoso, infinitamente belo, como fogos de artíficio explodindo dentro de nós. Como jardins exalando seus perfumes ao vento e como estrelas cadentes caindo em nossos rios de compaixão e de sedução.

    Esse quadro que explana sentimentos intensos. Essa linha que cria um elo entre duas almas.
    Perfeitamente terno, aconchegante.

    Que texto maravilhoso.
    De fato jamais serei capaz de me distanciar de tamanha ternura, tão presente em sua alma, em suas palavras. Uma das pessoas que mais estimo nessa rede. Uma das que mais gosto e amo, como uma amiga muito fiel que és.

    Jaya. Tu consegue algo tá ímpar. Tão diferente. Hoje não existe alguém tão profundo que me encante como você me encanta. E depois tu fica dizendo que eu exagero. Não é minha querida. É a mais pura verdade, a mais profunda e sincera opinião.

    Vir aqui me faz "morrer" toda vez.

    Morrer de ternura e encanto...

    =)
    Beijo querida.
    Te adoro muitão.
    s2

    ps: hum, tu ainda não passou no meu blog e eu já atualizei de novo, mas quando tiver o tempo, eu queria que tu lesse o texto ANTERIOR. É um texto muito meu.
    Kiss.

    ResponderExcluir
  10. Jaya Maria, só posso dizer que quem vive de amor intenso assim, não vive apenas um mês de fevereiro, mas quando existe toda essa cumplicidade, se vive para sempre assim.

    Gostei demais da intensidade e cumplicidade, os dias de hoje andam escasso. Sorte quem tem um amor desses.

    ..rs
    Prefiro fazer silencio depois da minha ultima frase..rs

    Bessos, fiota! Mandou muito bem, no texto ;)

    ResponderExcluir
  11. Digo a todos que Fevereiro é o melhor mês do ano.E nem estou falando da folia que é o Carnaval. Fevereiro é o mês mais curto e mais inteiro E mais intenso, por diversos motivos. Mas todos dizem que eu estou viajando na maionese.
    Agora com esse seu texto maravilhoso, posso provar minha tese! ;D
    Você é a melhor!

    Limãozinha, pensei que fosse morrer nessa cidade, mas até que estou sobrevivendo.
    JAYA, não tem como mandar sorvete pelo correio?
    Vou pesquisar aqui, aih vc me manda e eu te pago!
    HUASHUSHUSHUSHAUSHUAHS <33
    tou ficando aguada, mano!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  12. e uma bagunça que inaugura cada canto. detalhes urgentes.


    beijos!

    ResponderExcluir
  13. Jaya querida, dá um pulinho nesse site http://autoressa.blogspot.com/ e dá uma procurada lá. Admiro muito seu trabalho, quando sair o livro quero um
    beijo
    regina

    ResponderExcluir
  14. e é assim que se vive então..
    lindaaaaaaaaaaa e perfeitaaaaaaaa..
    urgentemente te dizer que isso aqui é maravilhoso, mais uma vez.
    Flores

    ResponderExcluir
  15. Esse é mais um daqueles seus textos que me deixam brava. Não queria que acabasse. Queria ficar a tarde inteira com um tanto de você nas minhas mãos, a frente dos meus olhos. Queria ficar te lendo inteira por esse dia afora Jaya.

    Escreve um livro!

    pelamordedeus!!!!!!!!

    beijos linda!

    ResponderExcluir
  16. Jaya, nem adianta falar, fico sem palavras, só sentindo, porque suas palavras fazem isso de uma forma tão boa, e intensa ... jesusdocéu, menina. Nunca canso de vir aqui, sempre uma surpresa boa.
    beijos da janela.

    ResponderExcluir
  17. queria que alguém me descrevesse assim...

    ResponderExcluir
  18. Own, flor.
    O que dizer mais?
    Você é tão completa nas palavras.

    Ah, fevereiro!!!

    Um beijo, linda!

    ResponderExcluir
  19. Jaya, querida dói sim! Cada célula, cada átomo!
    mas, o que se há de fazer! A vida é mesmo assim!

    Pois é, voltei! Deixei pedaços por ai, agreguei outros, descartei alguns e mas, sinto falta de todos...

    Queridas, sentimos mais, sofremos mais, mas tb amamos mais e sonhamos mais! E isso me faz sorrir, me consola!

    Vc é muito querida!

    bjos!

    ResponderExcluir
  20. gostei da ardência do txt.provocante,intenso e maravilhoso.adorei.

    http://guilg7.blogspot.com/

    vlw

    ResponderExcluir
  21. Jaya, querida!

    Se eu escrevo bem, o que é este texto que acabo de ler aqui agora? Perfeito! Você é uma grande escritora e uma das minhas preferidas! Recriei toda a cena em minha mente e o que vi foi algo entre o sutil e o quente, sabe? Delicado e intenso... Com muita paixão! Adorei!

    E amei as suas palavras tão bonitas! Obrigada pela força, pelo silêncio de antes, pelas palavras de hoje, pelo abraço! Voltar a esse espaço me faz bem, e acho até que faz parte do "voltar a mim", me reconstruir depois de tudo o que tenho vivido! Já estou na esperança de dias melhores! Logo, quem sabe, te conto uma boa novidade, hãn?! ;)

    Muitos beijos pra você!

    MI

    ResponderExcluir
  22. É quase a cena de um filme antigo sem trilha sonora. Mas em cores.

    ResponderExcluir
  23. Que lindo, amore!!
    Como é gostoso sentir o amor em você e através de você!

    Um beijo muuuito carinhoso hoje!

    ResponderExcluir
  24. Fôlego, onde está você?!?

    ;)

    Por acaso foi parar nessas linhas profanas que você nos ofertou, pura libido, tão (sens)(sex)ual, bom de ler e de imaginar...

    Beijo pra tu!

    ResponderExcluir
  25. Mmmmmmmmm... Não devemos nos privar de cometermos sandices daquelas que chamam saudáveis. Seu texto vem a calhar a respeito da explicação do que seria "balalaika". Uma vodka barata, daquelas que se mistura nas papilas de nossa língua e nos deixa com as pernas pesadas e o riso frouxo. Você iria gostar, creio. Só é vendida em festa do interior (mas muito interior meeeesmoooo!!!). Após a explicação, mais uma vez volto ao texto; só sendo mulher para poder desfilar com os cabelos desgrenhados e um cheiro que o Veríssimo descreveria como "de baunilha", e ainda assim continuar sendo um excelente tema para aquelas cenas de cinema onde o romântico se encaixa perfeitamente no carnal. "Algumas coisas lindas" - com certeza - "ardem". Um abraço do tamanho do mundo! P.S.: obrigada pelas palavras no blog. Ah! O Capitão tem um texto do William (até que enfim!!!). Abraços nossos...

    ResponderExcluir
  26. É Jaya, moça bonita, mais uma vez você me fez suspirar. Como é que pode um texto ser tão leve, sensual e carregado de sentimentos ao mesmo tempo? Acho que amor é assim mesmo, cheio dessas ambiguidades e vida.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  27. Moça,

    Urgencia e calma de viver.

    "O importante não é vencer todos os dias, mas conquistar sempre."

    Beijos

    ResponderExcluir
  28. Alguns (poucos) posts da blogosfera são de tirar o fôlego, Jaya!
    Como este aqui.
    Bjoooooo!!!!!!

    ResponderExcluir
  29. depois do outono e de todo o frio, tem sempre uma primavera!


    beijo.

    ResponderExcluir
  30. Deus do céu.


    Ela é mesmo de verdade!

    Ambicioso o post. Sem perder um minuto o poder de fascinação.


    Meus cumprimentos senhorita.

    ResponderExcluir
  31. Jaya Minha;

    Que loucura de ser ler, você arrasa em qualquer estilo, já te falei isso? Você consegue ser doce como ninguém e agora, ser urgente, me queimei aqui, hehehe.

    Volto pra comentar melhor.

    Deixo um beijo.

    ResponderExcluir
  32. Penso que todos os comentários falam bem o que eu acho do post.
    Além... Dá vontade de pegar o primeiro ônibus e ir encontrar aonde a minha festa cabe.
    Mandei pra ele.=)

    Parabéns!
    Lindo lindo!

    ResponderExcluir
  33. É que esse teu jeito de escrever é devasso, é rasgo que faz dentro da gente.

    É um falar manso, disfarçado, que nos toma o que sequer oferecemos.

    E saímos assim... bêbados.

    E gratos.

    ResponderExcluir
  34. O melhor de tudo dos teus textos é que eu vejo a cena completa. Imagino cada palavra que você escreve. O que acaba tornando mais incrivel ainda os teus textos.
    E na vontade de decifrar cada frase, cada palavra agente fica assim, nessa de querer mais e mais dos teus textos.

    Beijooos

    ResponderExcluir
  35. E essa urgência que sentimos, sem entender o porque?
    É a presença do amor, em nós. Ou a falta dele, no outro.

    É intenso, como você é.
    Lindo, Jaya Bonita.

    Beijos no coração, viu?
    :*

    ResponderExcluir
  36. As palavras se encaixam perfeitamente e dão intensidade e força a esse texto lindo. Ameiii :)

    Aproveito para te convidar para conferir a reforma que fiz no meu blog. O 'Não solta a minha mão nunca, tá?!' agora é 'Segredos de Travesseiro'. O conteúdo continua o mesmo, mas o layout está mais com a minha cara. Espero que vc possa visitar a minha nova casa :)

    beijos

    ResponderExcluir
  37. Nossa, o que dizer sendo que estou em quase urgência?
    Contando os dias, sonhando, noites em claro...
    Tudo para ter momentos, como esse do teu texto, com a minha pessoa.
    De tão poético quase virou música em minha cabeça conforme eu lia.
    Impecável.

    ResponderExcluir
  38. Ei, Jaya. No meu painel, aparece que você tem atualização. Venho aqui e nada. Será problema no meu blog ou no teu?

    Beijos.

    ResponderExcluir
  39. Amor, desatino, desadoro. Coisa de pelo e pele. E uma atenção desmedida de quem lê achando que a situação é consigo.
    Duas palavras suas pra me tirar um sorriso (:

    Beijos, moça!

    ResponderExcluir