(Re)vestir-se.

21:01

Os delírios verbais me terapeutam.

[Manoel de Barros]


Eu conto que é bonita a maneira como o vidro da janela deixa a manhã entrar em meu quarto. Seguro o sol com meus olhos e faço silêncio para ouvir os afetos delicados despertando. O agosto vai passando com sua violência hostil e tudo o que me importa é a poesia.

O que tem me atraído é a vontade bizarra de passar o dia inteiro tomando sorvetes e escrevendo todas as paixões. Por nada e qualquer coisa. Eu me observo e gosto de brincar com as cores no espelho. Encho o corredor da casa com meus bom dias, esqueço alguns sonhos na mesa e abro as portas sorrindo, sempre com um fiapo de amor entre os dentes.

Pelas ruas, entre passos apressados, um vento frio faz estremecer algumas certezas. Esqueço-as. Espalham-se todas pelo bosque onde passo sem nem notar. Já não amo ninguém. A escrita permanece atravessada. Minha língua guarda promessas e alguns planos. Guarda palavras ensaiadas para serem entregues a alguém que nem desconfia. Guarda um potinho de ilusões que espalham um gosto de estrela no céu da boca. É o que me faz sorrir.

Ontem falei de saudades e um cisco nos olhos foi a desculpa para a neblina. Todo o brilho coube no vermelho das pedrinhas desses brincos, flores pequenas que fazem meu rosto querer submergir em meio a um par de olhos escuros sobre os quais escreveria por mera distração. Ou atenção demasiada. Um quintal, um jardim. Par de olhos esses que às vezes se escondem e brincam com o castanho que guardo, pedindo-lhe para que os encontre.

Não me explico, optei por sentir. É como quando as duas mãozinhas delicadas da minha outra menina, pequena, desenham minha face: tudo fica doce. E também diria ainda das cartas que me esperam na cama, uma vez por mês, pintadas de carinhos que saltam tão logo os envelopes são abertos. Minha letra diminuta demora, emudece, e depois responde, apertada, que é para amarrar as coisas mais lindas e remetê-las todas de um jeito muito leve.

Quando me perguntam o porquê das tardes de repente ficarem tão amarelas, eu finjo nem saber, mas desconfio. Sinto logo as amoras estalando em meus dentes, vejo o céu descabelando as nuvens e a felicidade me desarrumando inteira. Efeitos que componho enquanto tento equalizar o silêncio, carícia mais suave.

Em meio a uma imensidão de desejos embaralhados, separo uma história. A da poesia que derramou-se em meu vestido quando o amor adormeceu em meus ombros.

Eu venho por um motivo. Esse, que me alarga os lábios enquanto dá voltinhas alegres em minha boca.
___________________

Para Lulu, por várias razões, mas, principalmente, por borrar com doçura meus olhos.
Por estar, mesmo sem nenhum sentido. Ou todo ele.

You Might Also Like

47 comentários

  1. Fui ver essa tal de Lulu né.
    E Ossanha estava lá.

    Vi vocês se derramarem tão juntas que fiquei sem saber o que dizer direito.
    Me espalhei.

    ResponderExcluir
  2. que tempo que eu não venho aqui..é por que eu lembro que quando chegava alguma coisa já tinha ido..ai eu me perdia nas tuas letras e achava melhor calar..mas é bom te dizer que eu gosto demais daqui, e se calo é por que, às vezes, é bem melhor apenas admirar.

    Flores

    ResponderExcluir
  3. Nada como a doçura dessas palavras... vou levá-las no meu soninho.


    Dona moça,
    quanto tempo!

    perdoe-me a ausência.

    O correr da vida tem me deixado sem tempo.

    Mais é sempre bom quando venho aqui, e me deparo com tais belezas.

    Beijos!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. "É como quando as duas mãozinhas delicadas da minha outra menina, pequena, desenham minha face: tudo fica doce."

    Lembrei de uma mão que desenhava meu rosto. Mas a mandei embora. Não sei bem ainda por quê. Tomara que a mão que desenhava meu rosto, não tenha levado consigo todo meu amor.

    Meu Deus, Jaya! Que texto.
    Lindo. Não sei o que te dizer.
    Inspira e só.

    Ps.: achei seu blog através de uma leitora, quando procurava 'coisas' que falassem sobre plágio. Me foi muito útil. Inclusive, no post que fiz em meu blog sobre o meu "amor estranho", cito seu nome e seu link em agradecimento.
    Não apareci antes por aqui justamente por nunca saber o que dizer. Hoje tomei coragem.

    Um beijo, querida!

    ResponderExcluir
  5. É o que me faz sorrir também, até mesmo nesse agosto com gosto de fracasso.

    Tudo por aqui é sempre lindo!

    Beeijos ;*

    ResponderExcluir
  6. Olha, eu tinha me prometido que não falaria isso mais. Eu tentei, mas não consegui. A culpa é sua.


    ESCREVE UM LIVRO!

    E claro, não se esqueça de sua fá mineira que aguarda um exemplar autografado.

    Amo ler você.

    Beijos...

    ResponderExcluir
  7. eu li seu texto de trás pra frente, e juro, veio na minha cabeça:

    otto - 6 minutos.

    é só isso.

    :*

    ResponderExcluir
  8. Sempre que venho aqui me deparo com maravilhas vestidas por letras.

    Seu mundo me acolhe tão bem, Jaya. É o lugar onde me sinto melhor, eu acho. Aqui as palavras fazem carícia.

    Vou sentar e beber mais uma. hehe

    Tudo lindo, linda.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. a lua é adorável, não? e essas palavras caem bem aos olhos.
    beijo querida!

    ResponderExcluir
  10. "É o que me faz sorrir"..ler você é o que me faz sorrir!
    Te perdoo quando falo de saudade e te espero.

    Deixo pra você F.Pessoa:

    "Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."

    Muitos beijos, Jaya

    ResponderExcluir
  11. Suas metáforas chegam a ser obscenas... constrangedoras.

    É que ler-te é pra gente grande.

    Bjos mil

    ResponderExcluir
  12. Eu pensei muita coisa pra dizer, eram coisas bonitas. Mas eu me desarmo, Jaya, porque você sabe me ler, e eu não entendo.
    Eu chorei, Jay, porque você me sente junto, e eu tenho uma sorte sem fim por isso. É, morena, o mundo vai juntar duas pontas. Eu tenho uma ponta na Bahia, outra em Porto Alegre. E agora, chegou a vez; de eu assumir a outra ponta. Eu vou aí buscar o pedaço do coração que você roubou, deixar um sorriso, e trazer comigo a falta que seus braços vão me fazer.

    Escuta: já tenho, já te dou os meus sinais.
    (Sente as minhas mãos suadas e te fazer carinhos de pedaço-arrancado-de-mim?)

    ResponderExcluir
  13. O êxtase da contemplação, é o que me fez lembrar o seu texto... a época dourada... quando dedicava mais tempo à observação das coisas belas e simples!

    Hoje contemplo sobre seu belo texto, e é exatamente como no passado...

    Muito legal, Jaya!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Eu fico aqui pensando como você consegue expressar tantos sentimentos juntos em algumas palavras. Como pode usar tão bem de metáforas, como pode escrever sobre sentimentos que a gente nem percebe sentir, ou como pode falar tão bem sobre todas as coisas. E só uma coisa me vem à mente: TALENTO! Você tem um dom, querida: escreve de um modo que faz com que tuas palavras sejam as palavras de todos os leitores também. Como se ao escrever, pudesse nos ler!


    um beijo grande!

    ResponderExcluir
  15. Ah, minha amora.
    Hoje fiquei sem palavras para descrever tamanha doçura.

    Seja sempre doce, para que tuas palavras me acolham sempre que eu precisar, no lugar do teu abraço que, infelizmente, não posso tê-lo.
    Sinto-me abraçada toda vez que venho aqui.

    E estou bem, fui exagerada no texto. Final das contas, a história não tinha nada a ver com nosso relacionamento. rs É errando que se aprende :)
    Sinto sua falta.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  16. Minha querida...
    saudades daqui... saudades suas...

    tb não sei pq minhas tardes ficaram amarelas... mas, descofio

    bjos moça bonita
    Otimo fim de semana

    ResponderExcluir
  17. Lindo o caminho que as suas palavras doces percorrem, Jaya.


    Um beijo, na alma.

    ResponderExcluir
  18. Fico impressionada com a facilidade que você lida com as palavras e as trasformam em textos maravilhosos como este que acabei de ler!

    " Não me explico, optei por sentir"
    Esta certa, o importante é sentir, ser feliz!

    Perfeito esse post, amei!

    bjos

    ResponderExcluir
  19. "Guarda palavras ensaiadas para serem entregues a alguém que nem desconfia. Guarda um potinho de ilusões que espalham um gosto de estrela no céu da boca. É o que me faz sorrir."




    [sinto sua falta.]

    ResponderExcluir
  20. Toda vez que venho aqui e me deparo com a sua exuberante sensibilidade eu que me desarmo com a profundidade tão afetuosa que tu utiliza em cada frase. Ainda é um mistério pra mim esse encanto que tu derrama sobre a minha alma.

    Porém, é um dos mistérios que mais amo, pela sensibilidade tão fantástica que se faz presente. Tão singela e suave nas declarações belas da poesia viva.

    Você nunca vai perder essa maestria, que te faz tão especial Jaya.

    Nunca vou me cansar de te admirar sempre.
    Beijos floridos.

    Te adoro!

    ResponderExcluir
  21. Doce! Você cabe inteira nessa palavra e transborda nos teus textos trazendo doçura pra vida de quem te lê.

    beijos, beijos e mais beijos :)

    p.s.: nunca foi tão difícil de deixar um comentário aqui u_U

    ResponderExcluir
  22. E teu peito transborda gotas de um orvalho dourado de amor... e brilha tanto, daqui posso ver...

    Um beijo flor de liz!!!

    ResponderExcluir
  23. É pra ler com um sorriso largo.
    Cada letrinha doce. É sempre agradável te ler Jaya, é de uma leveza boa. Sei que minhas palavras são singelas, mas é que não sei o que escrever diante de tudo isso. Belo!

    Você é linda!

    Obrigada por teu comentário.
    Abençoada semana.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  24. Nessa minha ausência perdi dois novos textos seus, tratei de ler rapidinho.

    "Não explico, optei por sentir" - Sentir, Jaya, e tranformar cada um delicadamente em doces e lindas palavras é dom, como disse a Michele, é talento...

    Um beijo enorme!

    ResponderExcluir
  25. Como acalma o peito essas palavras, tão doces, não escondem o amor que existe.É como se um abraço aconchegante nos pegasse de surpresa quando terminamos de ler, é de uma beleza incotestável. Conheci seu blog hoje! Encantada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. "Em meio a uma imensidão de desejos embaralhados, separo uma história. A da poesia que derramou-se em meu vestido quando o amor adormeceu em meus ombros."

    Jaya, SUA LINDA!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  27. Eu tinha certeza que você entendia de nuvens...


    Ainda que o céu as descabelem e as deixem cheias de contusões.


    No primor de tuas mãos todo o universo se ajeita.


    A propósito, aquela nuvem ali não é um jacaré? rs

    Um beijo sensualíssimo arranjo floral de Jaya.

    ResponderExcluir
  28. Eu vi censura aqui? Ahhhhh

    E eu me top, top, top pq? (o que eu fiz dessa vez? =P)

    E top, top, top, só se for na escada. Bora?

    ResponderExcluir
  29. Ok, a gente troca o "só se for" por um "se for também" e tudo certo!

    ResponderExcluir
  30. sabe Jaya, uma das coisas que mais me admira na vida é a simplicidade. Longe de mim dizer que esse texto está simples, pelo contrário, ele é uma obra-prima, mas sim a simplicidade de sua personagem. Ela parece ver a vida como uma coisa bonita, e ela é, mas infelizmente muitas pessoas não veem isso.


    Grande beijo.

    Seu admirador

    ResponderExcluir
  31. a saudade parece que ficou maior, tamanho do mundo.

    ResponderExcluir
  32. Jaya,há tempos que venho te seguindo e te indicando pro mundo porém, nunca antes havia comentado.Raramente comento.Parece-me, por vezes,um ato invasivo mas, é impossível não expressar o quanto você faz o mundo parecer mais bonito do que já é.Cuide-se sempre. Seja feliz!

    ResponderExcluir
  33. Lu,

    Invade sempre. O mais bonito cabe inteiro em você, que é quem dá o tom do que enxerga.

    Sejamos felizes.

    ResponderExcluir
  34. Jaya, faz 'muito' tempo que não pouso no teu cantinho.

    Ave rara, como é belo o que leio e re-leio em silêncio sem saber o que fazer novamente em leitura, pois é prenúncio de madrugada e me é solicitado silêncio torturante, afinal seu escrito clama à declamação.

    Será que poderias me enviar este escrito, para que eu possa postá-lo no meu jardim? Claro se me permitires a postagem!

    pri_caliga@hotmail.com

    Abraços

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  35. Lindo a sua postagem, estou em extase em tanta inspiração que vem de ti.

    Já estou lhe seguindo, bjsss,

    Hubner Braz
    hubnerbraz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  36. Os arranjos tão convidativos que não se sai do habitat da conjugação plena, na qual a sola do sapato gruda no sangue exposto ao chão, e marca as vestes em carícias com reconto das minúncias do morango. Da chuva não foge e a ponta do lápis observa, pois as pálpebras com assumido pincel num trajeto que descamisa o habitual à caminho da palma de mãos dois em um: uno. O perfumar do mar que levanta o morto em vibrantes cores. Do olhar penetrante da face beijada aos livros que se abrem e declamam profecias, intensamente absorvido a linha entrelinhada, se está na compreensão infinda dos acordes do violino apregoado no romper da aurora.



    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  37. Vou me calar, pois sempre me torno repetitiva demais.

    Teu blog ficou aberto em minha janela tarde toda e não consegui rearranjar as ideias para te dizer algo que valesse à pena.

    'tá lindo, 'tá suave. Sutil.


    Te gosto.

    ResponderExcluir
  38. Ah Linda Jaya!

    Sempre venho aqui reler. Leio. Suspiro!

    Tão eu. Um beijo

    ResponderExcluir
  39. Jayaaaaaaa,

    é sou eu, passando de uma leitora - que embora assídua - anônima, para uma que vem expor todas as delícias sentidas por seus textos belos.
    Textos que de fato inspiram. Me inspiram.


    - Uma tarde qualquer, em uma mesa qualquer de um café:
    Tai: Eu tenho vontade de ter um blog, mas acho que iria me tomar muito tempo.
    Jaya: Pelo contrário. Te economiza tempo.


    Hoje: Fato que me economizo e me expando.
    Poucas palavras bastam pra você.

    Beijoos

    ResponderExcluir
  40. Um dia, eu juro, te roubo, passo o dia contigo e te devolvo só depois de te ligar e pedir resgate.

    Vou pedir uma mechinha do teu cabelo e uma poesia em forma de bilhete.

    E só assim te libertarei. Porque terei levado comigo arte: uma parte de tua parte.

    ResponderExcluir
  41. Nossa, eu amo Manoel de Barros.
    FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... e MEU CADERNO DE POESIAS desejam um bom dia para você.
    Saudações Educacionais !

    ResponderExcluir
  42. hahaha, realmente não. O meu monitor está embassado, precisando de um novo. Agora que prestei mais atenção. Desculpe. A letra está extremamente clara para mim e as palavras meio disformes.
    tenho que providenciar um monitor, estou acabando com a minha vista.

    ResponderExcluir
  43. Juro que ainda não tomei a primeira dose (rs).
    beijo

    ResponderExcluir
  44. Uma lindeza, Jaya! Senti cada palavrinha, cada doce...

    Lindo!

    ResponderExcluir
  45. Muito bonito. Realmente eu não havia prestado atenção na citação. Me desculpe, já está arrumado.

    ResponderExcluir