Poetice.

14:45

Dá-me o direito
de dizer coisas sem sentido
de não ter que ser perfeito
pretérito, sujeito, artigo definido
de me apaixonar todo dia.


[Alma nua - Vander Lee]

No início eu não entendia muito bem. As ruas estreitas, o cinza, as pessoas, a minha chegada, a incoerência de tudo. Uma proximidade da solidão e da loucura. A cidade nova, tão antiga, fazia desaparecer aos pouquinhos toda aquela outra cidade, ainda tão minha. Mais até do que a que voltou a me pertencer. Achei normal quando João Gilberto soprou bem de levinho nos meus ouvidos, ao atravessar a rua no sol das doze horas. É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi.

Não é que hoje eu entenda alguma coisa, não. É questão de ter as percepções desviadas, de sentir alguns braços me atravessando as avenidas, de não precisar de um motivo. Hoje eu deito no chão da sala e acompanho os barulhinhos que vêm de lá de fora. Tem um passarinho que entra pela janela todos os dias, miudinho. Basta que eu pouse meus olhos nele para que saia voando pelo mesmo caminho por onde entrou, dessa vez levando o eco das minhas risadas de moça boba para soltá-los de lá de cima, com a pura intenção de contaminar qualquer lábio costurado.

Vou caminhando por onde acredito, hoje. Tenho feito as coisas do jeito que acho que ficam mais leves, mais clarinhas, mais fáceis de carregar. Ando sempre bem. A verdade é que nessa procura de me fazer, encontrei retalhos de coisas que doem. Doem mas não precisam trazer aquele gosto de água e sal, na boca. Guardo no bolso, jogo para cima, vou tomar um sorvete. Quando você não se prende, vai aprendendo de um jeito muito manso a voar novamente. Um e outro arranhão nos joelhos, pequenas quedas, mas nada disso importa depois que se prova um pouquinho de céu.

Eu tenho tanta fé em tudo, agora. Tenho gostado tanto de todo mundo, de mim, dessas repetições. Me assustei, então, ao perceber que é tudo uma questão de escolha. E o bom do susto é que a gargalhada sempre demora mais.

Hoje o teto lá fora é azulzinho. Logo ali, existe alguém que me faz cócegas. Alguém que me faz olhar ao redor, procurando-o, sempre que chego. E ele me faz levantar os olhos quando pronuncia meu nome, me transformando num girassol desajeitado, acompanhando-o a cada movimento. São vários pontinhos que eu vou ligando com essa caneta sem tinta, em meio à incerteza de rabiscá-lo em minha tela. É tão bom que eu sinta, por sentir, porque é preciso sentir.

Então eu procuro uns potinhos de tinta para borrar minhas mãos, porque nem sempre as palavras decifram o que o coração batuca. E me aproximo assim, de perto, dou um beijinho em seu rosto e deixo escrito uma história. Meus lábios, pincéis travessos.

É a vida resolvendo fazer carinho. E eu não quero entender nada.

You Might Also Like

30 comentários

  1. Me encontrei em você hoje, Jaya.
    Convivi com São Paulo durante os quatro anos de faculdade, e por vezes me sentia habitando um lugar que não era o meu, talvez eu ainda use João Gilberto com essa frase todas as vezes em que preciso retornar, mas depois de um tempo, a gente vai achando pedacinhos pra chamar de nosso, pra se reencontrar. Talvez eu ainda ache que o meu, não é ali e por isso tantas vezes reluto em retornar...

    Mas assim como vcoê: "Tenho feito as coisas do jeito que ficam mais leves, mais clarinhas, mais fáceis de carregar..."

    Linda sua poesia, mais uma vez linda.
    Li o post passado e não tive tempo de comentar, mas o achei todo lindo, todo cheio de um amor fraterno que admiro tanto.

    Um beijo bem grande!

    ResponderExcluir
  2. Quando eu vi que você postou, pensei: "Hum, hoje vou me encantar."

    Aí venho e me deparo com palavras tão dóceis, tão suas, no melhor estilo-Jaya-de-ser, que me trazem uma conclusão: não há lugar para mim senão aqui, neste recanto de pura literatura.

    Obrigado por me proporcionar sentimentos tão vivos. Você nem se esforça, né? hehehe

    Coisa linda!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Sempre matérias muito bem escolhidas...adoro passar por aqui. Não só eu me assusto, mas as pessoas levantam os olhos para quem se abra, ora como um pássaro, ora como tatu.

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Jaya,

    Ler a senhorita, quando a chuva cai em Juiz de Fora, é quase destino. Gosto da chuva caindo leve, como agora, porque me traz a imagem de frescor carinhoso de novos tempos. E essa concepção é também questão de escolha, como você bem disse.

    Também tenho buscado um pouquinho de céu, ainda que pequenas quedas aconteçam. Acredito que é caminho natural do desenvolvimento das asas, voar por si - com companhia ou não.

    Poesia, você.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  5. tava esperando tanto esse tipo por aqui, pra me sentir bem, p saber que tu estas bem tbm.

    E é engraçado, cara, eu nunca me vi tão semelhante com essas palavras, eu falo daquela tranquilidade que só a loucura que é viver nos proporciona..


    Flores.

    ResponderExcluir
  6. Aqui é minha segunda casa. :) Quero saber como faz pra ser tão linda assim.



    Beijo, Jaya Maria. E saudade.

    ResponderExcluir
  7. "E o bom do susto é que a gargalhada sempre demora mais."

    Voei e não percebi! A sua leveza nos leva, Jaya. Sempre volto melhor quando passo pelo teu céu.


    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  8. Jaya citando João Gilberto contaminou o lábio costurado do paulista. =)

    Acho que você já deve ter ouvido sobre aquela história de que quando se tem algum problema ou na vida, ao abrir a Bíblia se encontra, por mágica, a resposta ou um caminho a ser seguido, né? Então, foi mais ou menos isso que ocorreu quando finalmente consegui visitar essa choupana quentinha de letras de palha...

    Nada como ler e suspirar...

    Beijaya de leve, flutuantes como essa viagem lírica da vez!!!

    ResponderExcluir
  9. PS: Como criador oficial do neologismo, decreto que "Beijaya" não tem plural... hehehe

    ResponderExcluir
  10. Este blog está aberto exclusivamente a leitores convidados
    http://depoisdaprimeiradose.blogspot.com/

    Parece que você não foi convidado para ler este blog. Se achar que trata-se de um engano, recomendamos que você entre em contato com o autor do blog e solicite um convite.

    Você está conectado como h.zero.nove@gmail.com - Conecte-se com uma conta diferente

    ResponderExcluir
  11. Ei Jaya!

    Separei um selinho pra ti lá no meu blog!

    Beijão

    ResponderExcluir
  12. É a vida resolvendo fazer carinho.

    Preciso avisá-la que quero carinho por aqui também.


    Saudade, Jaya.
    Beijo doce.

    ResponderExcluir
  13. Quando não resistimos à alteridade, acabamos por tomar parte em seu banquete de signos. O que nos falta vira então fartura de possibilidades.

    Não entender é tão rico! Faz-nos atentos às pistas.

    ResponderExcluir
  14. quanto tempo, meu deus!
    quanto tempo que eu não coloco minha bandeira por aqui. e engraçado que depois de tanto tempo, venho e vejo que estamos alinhadas. sim, eu também mudei e to assim, sentindo meio tudo isso.

    e qual é o seu lugar agora, jaya? bom, pertencer um pouco a tua para pertencer a você mesma.

    beijão querida,
    saudades

    ResponderExcluir
  15. SUA LINDA, te ler me deixa tão excitantemente leve... voei longe com seu texto. E ainda estou com vontade de voar... tanto que perdi o que queria dizer.

    ... que saudade dos seus escritos.
    Um beijo procê.

    ResponderExcluir
  16. Jayaaaa!!! Saudadesss Guria!

    Voltei a postar minhas lamurias, rs.. Tinha parado pq o blog de cinema me dá mega trabalho. Mas to tentando levar os dois (e mais o papillonias!).

    O papillonias é mais a Amanda que administra, mas eu cuido de lá tb =) Vou anotar sua sugestao, embora eu nao sei ainda se vou mostrar minha faceta no youtube, hehehehe

    Obrigadissima pela visita la no Pullover. Li seu texto e bateu saudade imensa daqui! Nao sumo mais.

    Bjao!

    ResponderExcluir
  17. Dou outro beijinho em seu rosto com todo o carinho que possa caber...

    Beijos, linda.

    ResponderExcluir
  18. ola
    adorei seu blog e estou te seguindo
    me faça uma visita:
    www.flordelotus29.blogspot.com
    me siga. vou adorar que sejamos amigas
    beijos

    ResponderExcluir
  19. Não vamos entender...vamos apenas viver, sentir...amar, pq não?
    quem sabe a gente dá a sorte de encontrar o amor, ali adianta...

    beijo no coração

    ResponderExcluir
  20. Logo hoje que eu tô me sentindo tão "minha casa não é minha e nem é meu este lugar" vem você e acaba comigo, Jaya.
    Mesmo depois do costume, volta e meia bate aquela solidão triste que dói demais. Cabe a nós fazer de tudo pra se sentir parte da nova vida, da nova casa.
    Eu tô tentando.

    um beijo, um cheiro!

    ResponderExcluir
  21. Você fala de um mundo novo que ainda procura entender, como conseguiu se reorganizar e fazer escolhas "mais leves" como disse?

    Eu acredito que algumas vezes, temos que optar por escolhas mais difíceis, por serem as únicas coisas capazes de nos fazer crescer. Esta aí a sabedoria de viver.

    Você fala também em "É tão bom que eu sinta, por sentir, porque é preciso sentir." Concordo, mas não está aí um indício de uma certa dependência do outro. Você acha que é possível "sentirmos sozinhos"?

    Desculpa aí...perguntei bastante. Eu sou meio intrometido mesmo.

    Abraços Jaya.

    ResponderExcluir
  22. E a vida anda fazendo carinho aqui. E queria tanto, tanto, tanto vc mais perto. Fisicamente falando, sabe? Fofoca na cama num dia de domingo. Cafézim da tarde na minha casa com muito pão-de-queijo sóprocê!

    A vida anda fazendo carinho. E eu só queria te contar cada detalhe!

    Se cuida, tatuzinhaminha!

    E vem logo!

    ResponderExcluir
  23. Na verdade meu comentário é sobre o texto anterior eden. precisava falar, mesmo que de um texto tão pessoal, me senti parte dele. me emocionei. lágrimas nos olhos, lágrimas sinceras. lágrimas de quem lê e acha que é pra si. acho que você conseguiu traduzir que amor é esse que a gente sente com 'a melhor fonte com nosso passado'.

    sem palavras.
    lindos textos.
    ;*

    ResponderExcluir
  24. jaya, flor, me desculpe mesmo por sumir, por NÃO TE LER agora, o que é bem pior, eu acho.
    mas é que tô com pressa, e eu insisto em fazer as coisas quando não dá tempo e tô passando aqui voada, então nem ligue se não tiver concordância.

    só vim correr, avisar que tem selo :*

    ResponderExcluir
  25. verdade, eu às vezes acho melhor não entender nada que é pra poder curtir sem caber.
    O problema é que doi do mesmo jeito. Sabendo ou nao sabendo do processo todo.

    E voce é uma linda que escreve só lindeza hunf
    O blog tá lindo.. deu um paz ler por aqui. Braco é O PODER rs
    beijoooo amorinho

    ResponderExcluir
  26. Só vim pra dizer que amei o novo layout ;)

    *-*

    ResponderExcluir
  27. Jaya, como é bom passar por aqui e ver que - ao contrário de mim - tens postado sempre. Em certo momento, seu texto me lembrou uma música do Sérgio Sampaio em que diz assim

    'leros, boleros, traga branco seu sorriso, em que rua em que cidade, eu fui mais feliz?'

    Adorei o texto, suave.
    Ah! Gostei daquele dos Los Hermanos também, sabe? aquele?

    Bj's

    ResponderExcluir