Continua.

19:53

Você, que me continua.

[Que me continua – Arnaldo Antunes/ Edgard Scandurra]


Quando pisco os olhos e te observo com mais atenção para não perder teu movimento mais bonito. Quando estamos tão perto um do outro e sinto minha a tua respiração enquanto nossos corações ensaiam um samba. Quando teus cílios compridos tocam meu rosto. Quando você me abraça. Quando eu te abraço. Quando a gente se embola e não tem mais como desgrudar. Quando te belisco de leve pra você virar para o lado de lá. Quando te chamo pra sentar ao meu lado e não comer em pé. Quando você ensaboa todo o rosto e fica com uma cara de menino [mais] sapeca, me fazendo rir. Quando você repete seus mantras e me deixa muda. Quando você desanda a falar de coisas que eu não vou nunca concordar. Quando imita minhas falas. Quando me irrita de propósito. Quando me aperta. Quando eu te aperto. Quando estamos afastados e sinto esse aperto. Quando sorri pra mim derrubando em meu colo todas as coisas mais lindas e me deixa procurando pendurá-las em tudo o que resolvamos construir. Quando eu tenho a certeza de que é você, de que é com você, de que é por você. Quando tenho uma crise de risos por conta de algo que você disse. Quando você tem uma crise de risos por conta de qualquer coisa. Quando despejamos sorrisos por onde passamos. Quando dividimos uma cerveja, um beijo, uma poesia, uma cama, uma hora, um mês. Quando planejamos dividir uma vida inteira. Quando eu falo pra caralho. Quando eu tento escrever sobre o que sinto e a lua vai se escondendo só para o sol chegar e me mostrar que o que eu guardava de você em mim na noite passada era menor do que o que veio nascendo hoje. E amanhã não vai ser diferente. Quando falo sobre nós dois e tudo vira música. Quando você me telefona e me deixa tímida logo de cara. Quando você me acende. Quando ninguém mais consegue apagar a gente. Quando brilhamos, juntos. Quando eu me assusto com todas essas coisas muito boas saltando de você para mim. De mim, para você. Quando eu não duvido que a vida não poderia ter sido vivida de outra maneira, só para nos trazer até aqui. Quando você é ridículo. Quando eu sou teimosa. Quando passamos horas ao telefone sem nem notar. Quando eu sorrio mais largo e mais bonito e todo mundo percebe seu desenho em meus lábios. Quando concluímos que somos intensos demais. Quando entendemos que a possibilidade de viver um grande amor vai além do poema. Quando eu acho perigoso tirarmos um cochilo no sofá. Quando minhas palavras de amordemais não souberam sair e resultaram em algumas lágrimas no escuro. Quando você conseguiu achar o caminho exato em meio ao labirinto que cercava meu coração. Quando olho seus olhos, enxergo sua alma, e meus medos vão todos embora. Quando te espio dormir e fotografo teu rosto em mim, trazendo a certeza de que acordar ao seu lado, ainda que todos os dias, seria pouco tempo. Quando eu me emociono ao ouvir sua voz guardada no meu computador no meio de uma terça-feira ociosa qualquer. Quando a viagem não sai como o planejado. Quando passamos a acreditar em coisas que imaginávamos impossíveis antes de nos termos. Quando meu corpo vibra o que não sei dizer quando estou ao seu lado. Quando sinto toda a minha ternura caber no modo como te enxergo. Quando perco alguns minutos reconstruindo nossos momentos. Quando você reclama de todas as matérias do jornal. Quando diz que me ama como se estivesse pedindo desculpas por ser tão insuportável. Quando começa a entender que só é o melhor porque eu te fiz assim, e tão somente por isso. Quando vamos ao supermercado e você enlouquece comprando chocolates. Quando sempre demora mais do que eu pra se arrumar. Quando fala bonito de alguém que ama. Quando prepara a sua festa para receber a minha. Quando você me inaugura. Quando a gente amanhece em meio à madrugada. Quando eu vejo que aprendemos que, se faltar alguma coisa, podemos inventá-la. Quando eu me preocupo com você. Quando você cuida de mim. Quando eu acho a estrada muito longa quando vou ao teu encontro e muito curta quando me despeço de você. Quando sua voz baixinha me faz adormecer. Quando sua gargalhada me faz feliz. Quando você derrama um pouco de açúcar nos segundos e faz meu dia doce. Quando você me olha demais e eu te peço pra parar. Quando a felicidade atua em nossos gestos. Quando trocamos gemidos. Quando te entrego o que sempre segurei só em mim. Quando as coisas miúdas viram lembranças bonitas. Quando eu empurro com o nariz tudo o que me faz mal e trago o bom para ser teu. Quando tudo em você arrasta o meu olhar, feito ímã. Quando aquela minha blusa fica impregnada pelo seu cheiro. Quando você diz que sou toda errada. Quando descobrimos não haver nada tão certo quanto você e eu. Quando usar o nós passou a ser natural. Quando tudo deu um nó. Quando você me continua. E a gente descobre não ter fim.

A gente não tem fim, quando eu amo você. E te continuo.

You Might Also Like

21 comentários

  1. Quanta coisa linda num texto só, Jaya. Eu, que sou louca por tudo o que você escreve [isso nem é segredo], tenho achado tão mais gostoso te ler. É muito sentimento bonito saltando da tela, sabe? Eu fico sempre sentindo daqui. Tudo muito.

    Eu tive muita dificuldade pra comentar esse texto. Porque eu não consigo mesmo encontrar palavras pra te dizer das coisas boas que eu estou sentindo por te ver sorrindo e brilhando tão bonito. Eu só sei sorrir junto.

    P.S.: Eu queria muito dizer que me identifiquei e me vi muito nesse texto, mas a verdade é que ainda não encontrei o meu Antônio nessa vida. Só chorando, mermã. Hahaha.

    Vários beijos, nega.

    ResponderExcluir
  2. Nega, no meio do texto meus olhos se encheram de água e por um momento só conseguir ver flores no lugar das letras. Flores em você.

    Beijo, minha linda.

    ResponderExcluir
  3. Jaya,

    hihihi. Tô só um desconcerto. Deve ser meiassim também pra quem tá loucadeamor. Tô tão feliz por ti, cara. E eu nem sei como é isso da gente não se conhecer pessoalmente e ser só um carinho enorme de mim pra ti. Acho que é o signo. O teu, claro.

    Porque, ÉGUA do texto! égua da sensação florida e movimentada aqui do lado de dentro! :)))))

    Eu acho tão lindo, torço tanto, faço até sinal de fé pra que continue assim por longos tempos. Quantos forem necessários, até.

    Olha, eu acho que essa frase aqui aniquila qualquer coração dessa nossa geração pós moderna: "Quando eu me emociono ao ouvir sua voz guardada no meu computador no meio de uma terça-feira ociosa qualquer"

    Flores, lindona!

    ResponderExcluir
  4. Já lhe pareceu que de alguma maneira quando você "continua" assim as letras mais frequentes de outrora se transformam em suspiros? E você explode milhares de discursos infindáveis em silêncio?
    Julgo que poderia traduzir graficamente, enquanto você demora por aqui.

    Vai um beijo saudosista.

    ResponderExcluir
  5. Por onde andas tu?
    Sinto falta de te ler.

    ResponderExcluir
  6. Que coisa mais bonita e sensível, mulher! A cada ponto uma imagem. E a cada imagem, muita beleza. Bom revisitar.

    ResponderExcluir
  7. beleza pros meus olhos e pro coração... lindo demais!

    ResponderExcluir
  8. Sempre que venho aqui me encontro. Suas palavras me trazem de volta de algum lugar que me perdi e ainda não voltei.Obrigada Jaya.

    beijooo

    ResponderExcluir
  9. Bonito isso. E a gente descobre não ter fim?

    ResponderExcluir
  10. Aprecio bastante o seu blog e os seus posts. Sempre que posso tenho visitado o mesmo e delicio-me com o que escreve. Até coloquei na barra de favoritos :)

    Espero que continue com o bom trabalho.

    Cumprimentos

    Margarida Fonseca Dias

    www.brandleaderemaildatabases.com

    ResponderExcluir
  11. Jayinha...

    Você bem sabe que a Miss é dessas que gostam de andar entregando flores por aí.

    E eu, que sempre sou encontrado entre aqueles que tem um certo prazer em ser um tanto rabugento, acabo recebendo dela alguns carinhos a mais. Porque ela é um tanto provocativa, você sabe.

    Pois bem, recebi dia desses dela uma caixa inteira de mimos. Daquelas que a gente passa dias pensando e colecionando. Mimos com sua foto e muitas, muitas letras. Fui obrigado a rir, fui obrigado a sair de um silêncio meu. Fui obrigado a mexer em todas elas e, feito criança, "criancei" todas as coisas.

    Apareça qualquer dia na varanda aqui de casa. Apareça com a Miss. Há rede e café para todos.

    João Romova

    ResponderExcluir
  12. Andei sumida ... há tempos não passeio por esses mundos. Mas esses dias, em um tumblr que adoro - eu te dedico - descobri que você virou livro!! Fiquei tão feliz que tive que vir aqui contar. Bjs

    ResponderExcluir
  13. Ah, que texto mais lindo!
    Poderia ter sido escrito por mim e pelas entrelinhas da minha história, mas não seria tão poético e encantador quanto você o fez.

    Quando li, enquanto li... fiz com os olhos de quem viveu e vive aquilo tudo.

    Lindimais.

    ResponderExcluir
  14. Indo ao blog da Lu(caixapreta), percebi que ela citou seu blog no post, vim correndo conferir. E nossa, escreves com leveza, simplicidade, simplesmente virei seguidora e fã :)

    Chá de Calmila
    FAN PAGE

    ResponderExcluir
  15. Que delicia é amar e ser amado...
    Lindas palavras...
    Doçura escorre da sua escrita...
    Adorei!!!
    Saudades de passar por aqui...

    Bjo, bjo!!!

    ResponderExcluir
  16. AI, Jaya. Que coisa mais linda esse texto.

    ResponderExcluir
  17. Eu vivo dizendo por ai (e acredito cegamente nisso); que o Amor é a minha religião e que procuro segui-la nos mínimos detalhes. Teu texto é tão bonito, simples, puro e transborda amor em cada palavra. Fico imaginando como seria bom acordar pela manhã e encontrar uma carta com essas palavras que falam tão bem de amor. Lindo demais, eu realmente adorei você é daquelas que escreve com a alma e com os sentimentos, escreve com o coração e em cada vírgula vai costurando sonhos na vida de quem te lê. Simplesmente lindo!

    Voltarei mais vezes, com toda certeza.

    Beijos.
    eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Quando esse texto descreve perfeitamente o meu momento e o meu sentimento.

    Lindo demais, Jaya.

    ResponderExcluir
  19. Faz tempo que não dou atenção, por pura displicência, às coisas perdidas nesse blogspot. Faz tempo que não te leio.

    Fico realmente surpreso ao me deparar com um texto assim e ver o quanto de talento e sensibilidade cabem no teu espaço. É de uma honestidade e sinceridade tão grandes que mesmo as partes mais intensas não soam piegas ou tão dramáticas que possam parecer falsas.

    Saudades de me sentir assim, transbordando. Tu me lembrou um pouco como é.

    Parabéns. :)

    ResponderExcluir
  20. Texto lindo. Mexeu comigo. Meus parabéns (:

    ResponderExcluir