Apelo.

Eu te olho e como sua presença. Assim, sem nenhuma pressa, mastigando detalhes que minha pele gostaria de sentir. Te olho séria, tentando assimilar todas essas novas vontades desalinhadas que agora caem por aí. Chego mais perto já sorrindo, encostando meus beijos no teu rosto, no canto da tua boca cheia de sotaques novos aos meus ouvidos, sentindo teu cheiro e me demorando nesse abraço de dois corpos que mesmo fazendo muitos rodeios vão acabar caindo um no outro.

Tudo em você me convida. Entre passos desajustados aproximo meus caminhos dos teus só para você seguir esse mapa recém-criado, repleto de lugares inexplorados - em mim, por você. Pode vir. Aqui, bem pertinho. Me segura em si, não deixa nada escapar. Deixa eu conhecer o teu gosto, molhar com minha saliva o céu da tua boca. Passeia teus dedos por onde eles forem puxados enquanto suspiro baixinho, levanto tua camiseta e mordisco tua orelha descobrindo tua nuca, queimando cheia de dentes e línguas, lambendo toda a ânsia que deixei montadas nos teus ombros. Desce as alças do meu vestido, devagar ou muito veloz, não importa, estou aqui, sendo, inteira – pra você.

Olha bem fundo nos meus olhos e me guarda acesa em tuas pálpebras. Deixa as minhas mãos entrarem na tua bermuda enquanto sinto você crescer urgente, quente, pedindo abrigo. Não dê nenhuma brecha para essa dança parar, tem música para cobrir todos os atos. Te puxo pra cama e despencamos colados enquanto te enlaço entre minhas pernas e você procura espaço para se desvencilhar da minha lingerie que a essa altura já te encontra completamente nu. Você mede a minha temperatura e todos os meus lábios se molham na intenção de provar você.

Me amassa enquanto te arranho. Me absorve enquanto se encaixa. Sinto você em mim, pulsando agitado enquanto te recebo. Puxo os teus cabelos, chupo os teus dedos, acompanho teus movimentos. Calma. Agora quero dominar assim. Te enxergar de cima. Analisar as expressões confusas de um prazer involuntário e doce. Meus seios cabendo apertados nas tuas mãos. Você monta em mim novamente, me observa ceder em satisfação. Me preenche em velocidades mais urgentes. Crava os dentes na minha carne que a essa altura já exala você. Entrelaça os dedos nos meus e nos derramamos, exaustos e inundados um do outro. Preencho teu rosto de pequenos beijos leves e descanso nos teus braços. Adormecemos então em plena manhã azul.

Poucas horas depois o sol intenso da tarde entra pelas frestas da janela. Ligo o chuveiro pensando em intimá-lo a me experimentar debaixo d’água. A ducha quente escorre pelo meu corpo abrindo espaço para uma sequência de você. É que talvez você ainda não saiba, mas eu mal comecei, baby. 

Vem?


You May Also Like

9 comentários

  1. Você devia escrever mais textos assim, sabe? Você me perguntou uma vez se devia escrever contos eróticos e eu disse que sim, POR FAVOR! Hahahha por motivos óbvios. É fantástico. Tive que parar algumas vezes no meio da leitura, porque faltou fôlego. Acendeu foi tudo. Saravá.

    Acho inclusive meio injusto você jogar isso na minha cara em plena quarentena, mas fazer o quê, né? Eu que lute. Kkkkkkk


    Continua. Pelamor!
    Só continua.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Menina, concordo com o comentário da Thayana aqui em cima. Contos eróticos, pliiiiix hahahaa

    Lembro de um texto teu que li um tempo atrás, "Imagina que sou tua"... Fiquei assim... Uau... Quero ler mais disso vindo dela... Aí veio o "Inflamável", se não me engano... E pensei "É ISSO É ISSO É ISSO" HAAHAHAH

    A tua riqueza de detalhes é incrível, faz a gente viver o texto, sabe?! É quente, mas sem perder a doçura.
    Doideira, mulher!

    ResponderExcluir
  3. " O instinto erótico pertence à natureza original do homem. Esta relacionado com a forma mais elevada do espírito. - Carl G. Jung
    Eu não teria melhores palavras pra dizer da grandeza na tua poesia.
    Uma feliz semana.

    ResponderExcluir
  4. Vou concordar com a Thayana, que é sacanagem você jogar isso na nossa cara em plena quarentena. hahahah

    O texto é quente, Jaya, e escorre pelo corpo. Pura poesia e carne. Transcendência e saliva.

    Amei!

    Te abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oiiie.
    Eu também concordo com a Thayana.☺
    És a dona da poesia,,,a menina que brinca com as palavras,,,que constrói sentimentos,,,monta carinhos e desenha tudo que há de bom.
    Caliente e delicioso seu texto.
    "Nós apelamos", continua.
    Beijos daqui

    ResponderExcluir
  6. Uma leitura deliciosa, embriagante, muito tesão e ternura misturados em proporções perfeitas... e sim, a momentos em que deves parar, só por causa da emoção que entra e toma conta do corpo, da alma e dos pensamentos... verdadeiramente uma delícia!!!

    ResponderExcluir
  7. Eu amo a sua riqueza de detalhes, porque eu consigo conduzir a cena exatamente como deve ser na minha mente. Eu me sinto presente, participante.

    Amo sua forma dedilhada de abordar o lascivo.

    ResponderExcluir
  8. Jaya do céu, que texto bom! Você arrasa em qualquer espaço literário ao qual se dedica ... Sinestesia em cada palavra e um ritmo frenético que é uma metáfora por si só. Um texto que desperta. (Tudo.) Aaaaah, obrigada por escrever, apenas!

    Um abraço imenso e um fim de semana bem bonito pra ti ♡

    ResponderExcluir
  9. Eu acho incrível a riqueza de detalhes que você coloca no texto, essa volúpia bem destacada, de um sexo envolvente, perdido nos sentimentos intensos um do outro. Forte e intenso, tem uma verdade apertada, descarada, mas que explicita bem uma doçura única, presenta na ferocidade que existe no ato de amar. Puro e selvagem, doce e picante. Respirei fundo aqui, porque realmente, ler um negócio desses em plena quarentena, é de uma "crueldade" rsrs

    Por coincidência meu último texto no blog também é picante, acho que poste no mesmo dia que esse seu. Se a curiosidade bater passa lá na nova casa. Tem beijo meu pra você por lá.

    Fica bem amiga. Mais um texto que amei. <3

    ResponderExcluir