Ainda pulsa.


O outono chegou com seus ventos e temperaturas amenas e enquanto observo o céu nesse fim de tarde, penso em cheiros que me trazem lembranças de sorrir. Cheiros de poesia interna, resolvo nomear. Guaraná, por exemplo, tem cheiro do parque que eu ia todo domingo, menina. Café recém-coado me faz ouvir meus passos caminhando pela cozinha de vovó Nina junto às vozes misturadas dos meus tios e de vovô Maneca. Panela de pressão cozinhando um feijão bem temperado me permite escutar o sorriso de minha mãe e das minhas irmãs. Pipoca me transporta para uma infância na varanda de vovó Alice, comendo e vendo a chuva cair lá fora. Amora, de qualquer jeito e em qualquer lugar, traz vovô Arthur de lá do céu e não sei explicar o motivo. Eu observo as cores dessa tarde lá no alto e respiro memórias de vários ontens bonitos de viver. O hoje anda perigoso e eu sinto uma falta dolorida do amanhã.

Acho que já faz quase dois meses que não saio de casa. Resolvi que não ia contar, porque não tem data pra chegar a hora de dançar com sensações livres. Quase dois meses e meu coração se desmontou para caber um pedacinho em cada parte do meu corpo. Sinto em excesso, mas não consigo definir nada que sinto. Estamos em casa, juntos, inventando maneiras de deixar as coisas o mais parecidas possíveis ao que já não é. Cozinhamos, limpamos, almoçamos, damos risadas e também brigamos. Mas, a parte que é para mim mais importante: respeitamos nossos silêncios. Às vezes pesa e nos esquecemos na cama, cada um no seu quarto, ensimesmados e com a certeza muda de estarmos ali uns pelos outros. Quando fica muito cinza, somos levados dentro do carro para enxergarmos a vida que pulsa lá fora enquanto não observamos. Crianças sorriem no quintal vizinho e um pouco de paz respinga por aqui. Aviões não pousam mais nessa cidade, mas outro dia estavam quatro bem-te-vis conversando no muro. A vida continua, completamente desavisada e agora de um jeito diferente. E depois?

Meus olhos andam desbotados e não choram. O mundo já está tão triste sem minhas lágrimas, que fico martelando jeitos novos de ser feliz. Cada vez mais consciente dos meus privilégios, agradeço sem pressa todas as vantagens de não precisar brigar no braço com esse inimigo invisível que todos temos em comum. Tenho suspirado o dia inteiro, como se jogasse pra fora parte do sufoco das incertezas. Meu coração está quase cicatrizado enquanto muitos se rasgam. Vou ao quintal, volto e lavo as mãos. Dou banho no cachorro, lavo as mãos. Lavo as louças e, quando vejo, estou no banheiro lavando as mãos. Passo as mãos no rosto e sinto o ressecamento. Escrevo uma mensagem pra minha mãe, dou risadas virtuais com meus irmãos, lavo as mãos, limpo o telefone com álcool. Me abraço às vozes que eu queria perto, lembro que faz dois meses que não descanso o coração em ninguém e bebo água. Tenho bebido muita água, talvez inconscientemente querendo afogar as ansiedades, deixando boiar apenas o que for sereno. Moraes Moreira morreu e junto a ele metade da minha já escassa vontade de fazer festa. Mesmo assim ainda pulso.

Olho o céu procurando o mar, refletindo num looping eterno sobre como tudo aqui é efêmero. Procuro me demorar. Muito. Em tudo. Pintei os meus cabelos. Não consigo estudar. Cortei os cabelos dos homens aqui de casa. Faço bolos e sobremesas. Tenho lido muito. Tenho ficado paralisada e ansiosa. Tenho fantasiado uma pessoa bonita de se ter nos sonhos. Alguns dias acontecem e não vivo. Tomei uma decisão importante e talvez atrasada, para quando o depois chegar. Durmo quando consigo. Continuo com a ioga. Queimo incensos e pingo gotinhas de lavanda no meu travesseiro, feliz ao descobrir que uma moça cheia de cores tem o mesmo ritual de poesia. Entendi que gosto da cidade que abandonei depressa e talvez a história me leve de volta pra lá. Nunca imaginei que fosse um dia viver a parte ruim de um filme outrora fictício. Estamos doendo muito e ver pessoas virando números retira de mim peças que jamais se encaixarão.

Nunca mais o sol me recheou e respirar continua sendo um exercício de sorte. Escrevo e esse é o maior movimento de amor que posso fazer agora. Escrevo para que as palavras façam as vezes de um abraço proibido. Nada vai acabar sem dar certo. Há de chegar o instante onde acenderemos, logo ali, pertim. Pela primeira vez desde que cheguei aqui, fora da redoma maternal, vejo todo mundo junto e apontando para um lugar comum cheio de luz. Sinto saudades. Medo. Mas a fé continua a chegar calma em todos os segundos. Quem sabe essa noite eu consiga até dormir de verdade e voltar a sonhar.

Eu sinto e dá tempo.

You May Also Like

8 comentários

  1. eu li ontem, assim que a luz voltou. hoje fiquei pronta pro trabalho muito cedo, sentei na cama com minha xícara de café e li de novo, olhando os meninos dormirem. Agora entrei aqui, respirei fundo e li de novo. E aí eu chorei. Porque eu tenho escorrido muito e mesmo assim, vivo com esse nó me engasgando. Nada faz passar. Tem tanta coisa acontecendo e parece que eu nem existo. ontem vi um filme e um dos personagens disse: "eu nunca soube porquê eu nasci" e me peguei pensando que talvez eu também não saiba. voltei das férias com tantos planos e de repente... "mas a fé continua a chegar calma em todos os segundos", né? E é daí que vem a força. Mesmo sendo de cadim em cadim.
    Ainda bem que você escreve. Me faz ficar mais leve. <3

    gosto de te sentir bem. de sentir que você tem conseguido se manter tranquila diante de tudo. é o que me faz ter certeza de que vamos passar por mais isso.



    obs.: o gosto de coentro me lembra você. o mar também.
    e o céu me lembra uma foto bonita que você me mandou, do dia que vovô Arthur foi morar lá. acho bonitas essas lembranças.

    eu tô sempre aqui.

    Te abraço,

    Ty.

    ResponderExcluir
  2. Sentir você foi o amor carinho dessa quarentena

    ResponderExcluir
  3. Poxa, Jaya. Esse me atingiu em cheio. Como diria Adélia, "debaixo do braço". Tão verdadeiro. É triste, mas acolhe. Sabe?

    Uma vez, há algum tempo, você me desejou um abraço cheio de asas. Nunca esqueci. Enquanto suas palavras me alcançam penso em você e te desejo uma abraço cheio de sol.
    Você é pura sorte. Fica firme aí, que eu fico firme aqui. E a gente vai se ajudando. Nem que seja com poesia.

    ResponderExcluir
  4. Oi minha poetisa preferida,
    Te respondendo o que você deixou no meu blog, penso que os caminhos errados são aqueles que vão nos levar ao caminho de luz. Você acha mesmo que ainda não encontrou? rss Você é a prória luz que ilumina seu caminho e de outros. Pode acreditar. Palavra de Bandys. ☺☺
    Seu texto alem de lindo me remete ao silencio. Me faz ir de encontro com a minha fé, mesmo com o barulho do mundo. É isso, cultive seus brotos de esperanças em todos seus momentos.
    ..que a luz, a paz, a esperança e o amor tragam no vento, um doce alívio pra nossa
    angústia que às vezes cansa..(Bandys)♥

    ResponderExcluir
  5. Aí meu Deus, Jaya... Esse é um texto que eu leria facilmente num jornal, merece ser publicado em diversos locais 💜 Gotinhas de lavanda no travesseiro é o que há!
    Sabe, compartilho desse teu sentimento e fico pensando no quanto imediatistas também somos ao lembrar de Anne Frank e, sendo cristã, também me recordo de Noé na arca, de Ester "presa" numa seleção no Palácio... E, puxando para o lado do direito, também de tantos presos injustamente. Sofrimento não deve ser comparado, mas, pelo menos, sofremos juntas e cheias de fé! Continue nos encantando com essas lindeza em forma de texto poesia 😘

    ResponderExcluir
  6. É... dois meses assim é uma eternidade, né rs

    Amei s2

    ResponderExcluir
  7. Oi, Jaya. Esse foi o texto mais bonito que já li nos últimos dias. E isso tem motivos bem claro, esse é o tipo de texto que dá motivos pra continuar.
    Obrigada por saber tão bem como usar as palavras e por compartilhar com o mundo a sua beleza.
    Como é lindo o mundo aos olhos dos artistas. Você é uma grande artista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico sempre muito emocionada com todos os comentários deixados aqui. São minhas relíquias. Separo todos num canto espaçoso para revisitar e ir aos poucos montando as peças dos motivos pelos quais escrevo. Ainda não sei. Mas um dia descubro.

      Obrigada por vir aqui me dizer tudo isso. Fique sempre à vontade. É nosso!

      Excluir